Mata Atlântica Sustentável

0 notes

Canafístula-branca

Árvore nativa do Brasil encontrada na Mata Atlântica e no Cerrado. Tem porte grande e sua floração é um verdadeiro espetáculo de flores amarelas. Ecologicamente ocupa papel importante na recuperação de áreas degradadas por se beneficiar de clareiras.

0 notes

O cambucizeiro é uma árvore nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção. A fruta na imagem acima é o Cambuci, que dá nome à um bairro da cidade de São Paulo.

O cambucizeiro é uma árvore nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção. A fruta na imagem acima é o Cambuci, que dá nome à um bairro da cidade de São Paulo.

0 notes

Fauna e Flora da Mata Atlântica!

            Flora - Exemplos de vegetação:

- Palmeiras
- Bromélias, begônias, orquídeas e briófitas
- Pau-brasil, jacarandá, jequitibá-rosa, cedro
- Tapiriria
- Ananas

Fauna - Exemplos de espécies animais:

- Mico-Leão Dourado (risco de extinção)
- Bugio  (risco de extinção)
- Tatu-canastra (risco de extinção)
- Arara-azul-pequena (risco de extinção)
- Onça Pintada(risco de extinção)
- Jaguatirica 
- Capivara

0 notes

Dica!

Se você ficou interessado em conhecer de perto a Mata Atlântica, vá ao parque do Trianon, em São Paulo, pois sua vegetação é nativa da Mata Atlântica! E assim você poderá ver como sua beleza é exuberante.

0 notes

Você sabia?

A exuberância, a imponência e a riqueza da Mata Atlântica marcaram profundamente a imaginação dos europeus e contribuíram para criar uma imagem de terra paradisíaca, onde os recursos naturais pareciam inesgotáveis;

Parte da Mata Atlântica foi reconhecida pela Unesco como Reserva da Biosfera no começo da década de 90. A Reserva estende-se por cerca de 5 mil quilômetros ao longo da costa brasileira, com área total de 290 mil quilômetros quadrados;

A Mata Atlântica é um bioma presente na maior parte no território brasileiro, abrangendo ainda parte do território do Paraguai e da Argentina. As florestas atlânticas são ecossistemas que apresentam árvores com folhas largas e perenes. Abriga árvores que atingem de 20 a 30 metros de altura. Há grande diversidade de epífitas, como bromélias e orquídeas;

As regiões da Mata Atlântica têm alto índice pluviométrico devido às chuvas de encosta causadas pelas montanhas que barram a passagem das nuvens;

Alguns povos indígenas ainda habitam a região da Mata Atlântica. Entre eles, podemos destacar: Kaiagang, Terena, Potiguara, Kadiweu, Pataxó, Wassu, Krenak, Guarani, Kaiowa e Tupiniquim;

A Mata Atlântica é a segunda maior floresta brasileira, em extensão;

A árvore mais velha do Brasil e uma das mais antigas do mundo está na Mata Atlântica. É o jequitibá-rosa, que fica no Parque Estadual de Vassununga, em São Paulo. Segundo pesquisadores, o exemplar tem mais de 3 mil anos. Em sua copa, vivem tucanos, macacos e cerca de 20 mil outras plantas .

0 notes

O que é Sustentabilidade?

Atualmente, a palavra que mais se ouve falar por aí é a tal da Sustentabilidade. Mas o que significa isso?

A sustentabilidade consiste em suprir as necessidades e o bem estar da população, preservando a biodiversidade e os ecossistemas naturais de uma forma que seja possibilitado uma continuidade, ou seja, sem afetar o futuro das gerações. É algo sistêmico, que engloba aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade.
Ser ecologicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e culturalmente aceito são requisitos básicos para um empreendimento ser sustentável. Isso tudo garante devolver ao meio ambiente o que foi “perdido”, e boa qualidade de vida à população que atuam neste sistema, assim, não esgotamos recursos naturais.
O melhor exemplo de sustentabilidade são as ecovilas.

0 notes

Entrevista: Rosana Kisil

Entrevista

Engenheira  Agrônoma  Rosana Kisil

Consultora em Planejamento Estratégico de projetos socioambientais. Foi responsável pelos módulos de Planejamento Integrado dos Planos de Manejo dos Parques Estaduais: Serra do Mar, Cantareira, Horto Florestal de São Paulo, Turístico do Alto Ribeira (PETAR).

Atlântica Sustentável - Você participou de reuniões com parques e instituições. Nessas reuniões, quais pareceram ser os principais problemas que os diretores e administradores enfrentam na gestão dos parques? Por quê?

Rosana Kisil - Parques são ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, onde a lei determina que haja proteção integral da biodiversidade. Os “Parques” estão previstos no nosso Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o SNUC, que ordena as áreas que devem ser protegidas (a nível federal, estadual e municipal) e as divide em várias categorias de unidades de conservação, mas, os Parques são da categoria que exige PROTEÇÃO INTEGRAL, o que significa que não se pode degradar NADA lá dentro e no seu entorno, a chamada Zona de Amortecimento. O que se permite nos Parques é a realização de pesquisas científicas, o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação e de turismo ecológico, conforme as ZONAS PLANEJADAS assim o permitirem.

Ora, sabendo disso, imagine o trabalho que dá administrar uma área como essa. São áreas extensas (o Parque Estadual da Serra do Mar tem 315.000ha, que equivale a 315.000 campos de futebol), têm muitas fronteiras, às vezes abrange mais que um Município (o Parque Estadual da Serra do Mar abrange 23), tem riquezas naturais que muitos grupos humanos querem explorar (palmito, bromélias, minerais subterrâneos, animais silvestres, madeira, água, terrenos para construir casas e condomínios de férias, etc..). O Diretor de um Parque têm que lidar com todos esses interesses e ainda administrar uma equipe bem pequena de fiscalização, que não pode usar armas e depende da polícia ambiental para prender bandidos que burlam as leis de proteção.

Além da parte de dentro do Parque, o Diretor tem também que opinar sobre tudo que acontece na Zona de Amortecimento, ou seja, ele tem que estar consciente e bem informado sobre o que andam fazendo em torno do Parque e procurar negociar para que os vizinhos não instalem aí alguma atividade nociva às espécies de animais e plantas e à água e subsolo da Unidade.

 

A.S.- Qual o grau de importância/emergência que os diretores dos parques dão à questão do uso inconsciente e não sustentável dos componentes da Mata Atlântica? Quais os principais projetos os parques têm para combater esse uso?

R.K.- Os Diretores dão o máximo grau de importância, afinal, é a Lei (o SNUC é uma Lei do ano 2000) e há penalidade para quem não cumpre a Lei. É crime ambiental e dá cadeia mesmo.

Como principal maneira de combater os crimes ambientais os Parques criam Programas de Proteção. É um conjunto de Projetos que envolve ter parcerias com outros órgãos ou instituições, já que não dá prá preservar sozinho. Alguns exemplos de Projetos: repressão ao crime (Polícia Militar Ambiental, Bombeiros, Guardas Municipais), preservação dos recursos naturais (SABESP, CETESB, Prefeituras), ações judiciais (Ministério Público, Procuradoria Geral do Estado), ações de educação ambiental (em conjuntos com ONGs, associações da comunidade e escolas), ecoturismo, pesquisa (com Universidades).

Uma coisa que o SNUC fez acontecer foi a Compensação Ambiental, que é um jeito de os poluidores pagarem pela poluição que produzem. Bem, o impacto gerado por algum empreendimento (por exemplo, um condomínio na praia, que impacta o mangue e a vida inerente a ele) é transformado em valor (R$) e a empresa responsável para o Governo esse dinheiro, para que ele, o Governo, aplique em ações de proteção e conservação ambiental nas Unidades de Conservação. Há muita controvérsia sobre se isto é bom ou não, pois, bom mesmo seria não impactar nem poluir nada, lugar nenhum.

A.S.- Na sua opinião, qual a melhor maneira para conscientizar a população e as empresas de que o uso sustentável dos componentes naturais é essencial para o ecossistema?

R.K.- Muito trabalho local, com as comunidades. Mesmo nas áreas urbanas, onde as pessoas mal sabem o que é um Parque, tem que fazer ações de aproximação das pessoas com a natureza. Levar crianças de escolas a áreas naturais e proporcionar vivências fortes, para que se tornem adultos sensíveis aos benefícios da natureza sobre si mesmos, como indivíduos. E isto é independente de serem comunidades de ricos ou de pobres, do interior ou da Capital, de empresários ou de trabalhadores.

Uma outra maneira é conseguir um Governo que valorize o ambiente e tenha coragem de enfrentar o desmatamento e de não fazer acordos financeiros com aqueles empreendimentos que destroem ou poluem o ambiente natural do Brasil.

 

A.S.- Em que medida o uso não sustentável dos componentes da mata está ligada ao desmatamento da mesma?

R.K.- Usando os recursos da floresta sem controle, a tendência é interferir demais no ciclo de vida do Carbono, da água, da reprodução vegetal e animal e da nutrição do solo. Assim, a biodiversidade fica ameaçada e cada vez menos espécies conseguirão um habitat favorável para se manter. Diminuindo a biodiversidade, aos poucos também diminuirão os recursos naturais.

O desmatamento é a mais violenta e rápida maneira de acabar com o lugar natural das coisas. Uso não sustentável é pouco para dizer que essa ação, desmatar, muda tudo: a umidade, a temperatura, a beleza, a composição mineral, a vida das pessoas e tudo o mais que existe na complexidade do nosso Planeta, uma complexidade natural, que o homem ainda não sabe recompor.

 

 

0 notes

Letra da Música:Mata Atlântica
Músico: Dércio Marques


Brasil, Mata Atlântica, fauna e flora, a maior do planeta
Brasil, Mata Atlântica, fauna e flora, que ninguém respeita
Quaresmeira, Jequitibá, Pau-Brasil, Jacarandá,
Imbaúba, Figueira, Gaviúna, Paineira,
Onça-Pintada, Jaguatirica, Macaco-Prego, bicho Preguiça
Mico-Leão e Jacú, Tucano, Beija-Flor e até o Terú


Eu queria ser como um Pássaro
E poder cantar como um Pássaro
Simples, profundo, livre no mundo
E quem sabe assim alguém iria me ouvir

Refrão


Vegetação rica e densa, com árvores pequenas e outras imensas
Aves, anfíbios de várias espécies, picadas e plantas que também florescem


Eu queria ser um Poeta
E poder escrever como um Poeta
Versos bonitos, pra mim infinitos
E tentar explicar o que com palavras não dá


Refrão